Crianças e adolescentes podem ter papel importante na manutenção da pandemia e sofrer mais com Covid longa

falsa sensação de segurança de que são menos afetados pelo Covid pode colaborar para uma maior chance de contaminação de crianças e adolescentes
falsa sensação de segurança de que são menos afetados pelo Covid pode colaborar para uma maior chance de contaminação de crianças e adolescentes. – Foto: Freepik/Divulgação

A falsa sensação de proteção contra a covid-19 entre crianças e adolescentes e a exclusão inicial deste grupo do plano nacional de imunização contra a doença podem fazer com que esses personagens ganhem um papel ainda mais importante na propagação da pandemia. 

 “Com toda certeza esse é o grupo mais desafiador pela dificuldade de aderência às medidas de prevenção e por existir uma errônea ideia de que crianças e adolescentes não possuem riscos”, explica a cardiologista infantil e médica do exercício e do esporte do Hospital Edmundo Vasconcelos, Silvana Vertematti. 

Segundo ela, a falsa sensação de segurança de que são menos afetados pelo Covid-19 pode colaborar para uma maior chance de contaminação de crianças e adolescentes.

Por isso, enquanto a vacinação para este grupo ainda não é uma realidade, a médica alerta para a necessidade de adesão às medidas de prevenção: uso de máscara, higienização das mãos e, principalmente, distanciamento físico. 

Além disso, Vertematti chama a atenção para o fato de que evitar a covid entre os mais jovens e as crianças evita que esse público sofra com os sintomas tardios do que hoje já chamado de covid longa – o quadro de doenças associadas à resposta inflamatória do organismo durante o combate contra a Covid-19. 

Esses sintomas persistentes e tardios já são uma realidade entre crianças e mais jovens que tiveram contato com vírus e podem ser sentidos em todo o organismo, além de implicar transtornos psicológicos, cansaço prolongado, vômitos, manifestações dermatológicas, dores no tórax, nas articulações e garganta. 

A especialista lembra que esses indícios são facilmente confundidos com outras doenças também comuns a este grupo, fator que pode complicar o diagnóstico de Covid longa. “É necessário um bom raciocínio clínico e exames complementares e pertinentes para conquistar uma conclusão correta”.

Somado ao obstáculo dos sintomas, tem-se ainda a baixa testagem em crianças e adolescentes. “O resultado positivo é uma informação muito importante na hora de se considerar os sintomas e direcionar a investigação clínica. E como temos uma baixa porcentagem de testes destinados a essa população, fica ainda mais difícil diagnosticar tanto a covid-19 quanto as consequências da doença”, conclui a médica.  

Total
0
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Previous Post
Todas em Tech tem o apoio de Accenture, Creditas, Easynvest, Facebook, iFood e Nubank; Inscrições para a segunda turma encerram no dia 16 de julho

Projeto social abre 480 vagas para formação de programadoras em todo Brasil

Next Post
As vias estão localizadas no Triângulo Mineiro (627,4 km) e no Sul de Minas (466,4 km)

Com apoio do BNDES, Minas Gerais lança consulta pública para concessão de rodovias

Related Posts