Aumentos de preços de gás de cozinha e combustível devem alavancar o endividamento das famílias, que segundo pesquisa já está em cerca de 70%

Pesquisa da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo aponta que 70% das famílias estão endividadas; somente o reajuste da gasolina chega a 6,3% nesta semana. – Foto: Freepik/Divulgação

A pesquisa da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) divulgada na semana passada apontou que quase 70% (67,5%) das famílias brasileiras estão endividadas. As dívidas estão distribuídas entre cartão de crédito, cheque especial, crédito consignado e carnê, mas na maior parte é o cartão de crédito que é o verdadeiro vilão. Para se ter uma ideia de quanto o uso indiscriminado do cartão pode ser perigoso, o custo do crédito no rotativo nos últimos 12 meses foi de 207,6% e, no parcelado, 115,6%. Ou seja: quem deve R$ 1 mil, em um ano passará a dever R$ 2.760.

“O juro do cartão de crédito é exorbitante, o que corrói ainda mais o poder de compra. E 70% é um índice muito alto e preocupante, pois, quando pegamos a série histórica desse endividamento, constatamos que ele só vem subindo”, ressalta a professora e coordenadora dos cursos de Economia e de Negócios Internacionais da FAE Centro Universitário, Solídia Santos. 

Para complicar ainda mais a vida de quem já está endividado, mais aumentos foram anunciados esta semana: a Petrobras  aumentou os preços da gasolina, do diesel e do gás de cozinha nas refinarias. A gasolina sofrerá reajuste de 6,3%, passando de R$ 2,53 o litro para R$ 2,69; o diesel terá acréscimo de 3,7%, de R$ 2,71 o litro para R$ 2,81, e o gás de cozinha sofrerá reajuste de 5,9%, passando de R$ 3,40 para R$ 3,60 o quilo. O aumento eleva o preço do botijão de 13 quilos de R$ 44,20 para R$ 46,80. Desde o início do ano, a gasolina acumula aumento de 46%, enquanto o diesel soma alta de 39% e o gás de cozinha, 38%. “Difícil calcular o impacto direto no bolso das pessoas, pois no combustível, por exemplo, incidem riscos, impostos, margens de lucro. Mas o que é certo é que o impacto será grande, principalmente nas famílias maiores”, comenta.

Alguns dias atrás, o brasileiro também foi surpreendido pelo aumento de 52% na bandeira vermelha da energia elétrica, o que poderá elevar a conta de luz em 5,5%, mais ou menos, para uma família com consumo médio.

Como explica a professora Solídia, outros indicadores aliados à pesquisa da CNC mostram a gravidade do problema do endividamento do brasileiro: analisando a PNAD (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio), por exemplo, conclui-se que a renda média do brasileiro caiu pelo menos 10% de setembro do ano passado para cá. Soma-se a isso, ainda, o fato de que praticamente 15% da população está desempregada. “Por mais que a pessoa volte para o mercado de trabalho, ela voltará com renda menor do que antes, o que ainda mantém o endividamento ou contribui para o aumento desse endividamento”, analisa. 

Enquanto a inflação aumentou 8% nos últimos 12 meses, a renda não sofreu reajuste. E o auxílio emergencial também não surtiu grandes efeitos, uma vez que diminuíram o número de pessoas contempladas por ele e o valor pago pelo governo. “É um conjunto de fatores que levam ao grande índice de endividamento, que tende a aumentar, pois quem está endividado acaba recorrendo a empréstimos e a consumir apenas o essencial, o que também prejudica a economia”, observa a professora. 

Para tentar sair do vermelho, a professora recomenda a negociação com a instituição financeira. E, claro, não contrair novas dívidas com compras supérfluas. “Olhar para o orçamento familiar também é muito importante. Manter as finanças em dia, equilibradas, e pensar no consumo consciente, gastar somente com o que precisa e com o que pode, é fundamental”, orienta.

Total
9
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Previous Post

Quase metade dos trabalhadores brasileiros não possui nenhum auxílio de saúde, revela pesquisa da Ticket

Next Post
Bolsonaro muda discurso sobre obrigatoriedade do uso de máscara

Bolsonaro diz que “Brasil tem pressa” para ver mudanças no Mercosul

Related Posts