Conheça os aparelhos que mais consomem energia elétrica no inverno

O aumento no valor da conta nesta época do ano é de, em média, 30% ou mais, devido ao uso de chuveiro, aquecedor, máquina de lavar-louças e torneira aquecida

No dia 21 de junho iniciou o inverno, período em que a conta de energia elétrica costuma aumentar, por conta do uso do chuveiro em potência máxima, um dos aparelhos que mais consome energia em uma casa, entre outros eletrodomésticos como aquecedor, ferro de passar roupas, lava-louça, máquina de secar roupa, torneira elétrica, entre outros. Segundo o CEO e especialista em eficiência energética da W-Energy, Wagner Cunha Carvalho, o chuveiro elétrico é um vilão neste período, pois consome, em média, 30% a mais de energia que nos dias quentes. “O cuidado com o uso do chuveiro elétrico precisa ser dobrado, pois além do alto consumo de energia, também há o desperdício de água, já que o tempo do banho costuma ser maior. Isso sem falar no uso de torneiras aquecidas, máquina de secar roupas e aquecedores”, explica.

No Brasil temos uma média de consumo, por pessoa, de 180 litros de água por dia, sendo que a indicação é de cerca de 110 litros/dia. “Estamos em plena crise hídrica e, por isso, o recurso merece toda atenção também nos dias mais frios. Banhos muito longos, uso demasiado da máquina de lavar roupas ou louças, ainda mais com o uso de água quente, afetam o setor”, relembra Wagner.  A Agencia Nacional de Energia Elétrica (Aneel) anunciou no mês passado que as contas de luz, que já se encontram na bandeira vermelha patamar II, sofreram um reajuste de 52%. Esse cenário se dá pela escassez de chuvas em vários estados brasileiros e pelos baixos níveis de água nos principais reservatórios do país, principalmente no Sudeste, o que torna-se a mais preocupante crise hídrica em 91 anos. O valor da cobrança extra passou de 6,24 reais para 9,49 reais a cada 100 kWh consumidos.

Outra dica importante é estar atento às luzes dos ambientes, equipamentos de uso intermitente em tomadas, que interferem no consumo de energia e na eficácia de outros aparelhos. Na escala de maior gasto, estão o ar-condicionado – na função quente ou fria – e a geladeira, que no total do consumo de uma casa representa 40%, o chuveiro elétrico 30%, a iluminação 20%, aparelho de televisão 10%, o ferro elétrico 6%, máquina de lavar 5% e todos os demais, como micro-ondas, roteadores, etc, 4%.

 “Um ponto esquecido é o tipo de iluminação do ambiente. Lâmpadas decorativas podem consumir bastante energia sem percebermos. A tecnologia LED (Light Emitter Diode), hoje em dia é uma das mais eficientes e contribui muito para redução do consumo. As famílias que viajarem neste período do inverno devem desligar o maior número possível de aparelhos e colocar a geladeira em potência baixa, pois mesmo na opção de stand by, apresentam consumo”, explica o especialista.

Wagner ainda ressalta:

– Evite tomar banhos demorados. Para as crianças, use um “timer” de 5 minutos, como um desafio positivo. Priorize a água para enxaguar o corpo.
– Evite fazer a barba (homens) e lavar lingeries (mulheres) durante o banho.
– Não use a descarga para outros fins, como lixeira de papel.
– No ato de lavar a louça, limpe bem os restos de alimentos e enxague-a toda de uma vez.
– Lave as roupas na máquina quando estiver com o cesto cheio. No tanque, feche a torneira enquanto ensaboa as peças.
– Não utilize a mangueira para lavar o carro e a casa. Priorize um balde com água de reuso e pano.

O aumento no valor da conta nesta época do ano é de, em média, 30% ou mais, devido ao uso de chuveiro, aquecedor, máquina de lavar-louças e torneira aquecida

No dia 21 de junho iniciou o inverno, período em que a conta de energia elétrica costuma aumentar, por conta do uso do chuveiro em potência máxima, um dos aparelhos que mais consome energia em uma casa, entre outros eletrodomésticos como aquecedor, ferro de passar roupas, lava-louça, máquina de secar roupa, torneira elétrica, entre outros. Segundo o CEO e especialista em eficiência energética da W-Energy, Wagner Cunha Carvalho, o chuveiro elétrico é um vilão neste período, pois consome, em média, 30% a mais de energia que nos dias quentes. “O cuidado com o uso do chuveiro elétrico precisa ser dobrado, pois além do alto consumo de energia, também há o desperdício de água, já que o tempo do banho costuma ser maior. Isso sem falar no uso de torneiras aquecidas, máquina de secar roupas e aquecedores”, explica.

No Brasil temos uma média de consumo, por pessoa, de 180 litros de água por dia, sendo que a indicação é de cerca de 110 litros/dia. “Estamos em plena crise hídrica e, por isso, o recurso merece toda atenção também nos dias mais frios. Banhos muito longos, uso demasiado da máquina de lavar roupas ou louças, ainda mais com o uso de água quente, afetam o setor”, relembra Wagner.  A Agencia Nacional de Energia Elétrica (Aneel) anunciou no mês passado que as contas de luz, que já se encontram na bandeira vermelha patamar II, sofreram um reajuste de 52%. Esse cenário se dá pela escassez de chuvas em vários estados brasileiros e pelos baixos níveis de água nos principais reservatórios do país, principalmente no Sudeste, o que torna-se a mais preocupante crise hídrica em 91 anos. O valor da cobrança extra passou de 6,24 reais para 9,49 reais a cada 100 kWh consumidos.

Outra dica importante é estar atento às luzes dos ambientes, equipamentos de uso intermitente em tomadas, que interferem no consumo de energia e na eficácia de outros aparelhos. Na escala de maior gasto, estão o ar-condicionado – na função quente ou fria – e a geladeira, que no total do consumo de uma casa representa 40%, o chuveiro elétrico 30%, a iluminação 20%, aparelho de televisão 10%, o ferro elétrico 6%, máquina de lavar 5% e todos os demais, como micro-ondas, roteadores, etc, 4%.

 “Um ponto esquecido é o tipo de iluminação do ambiente. Lâmpadas decorativas podem consumir bastante energia sem percebermos. A tecnologia LED (Light Emitter Diode), hoje em dia é uma das mais eficientes e contribui muito para redução do consumo. As famílias que viajarem neste período do inverno devem desligar o maior número possível de aparelhos e colocar a geladeira em potência baixa, pois mesmo na opção de stand by, apresentam consumo”, explica o especialista.

Wagner ainda ressalta:

– Evite tomar banhos demorados. Para as crianças, use um “timer” de 5 minutos, como um desafio positivo. Priorize a água para enxaguar o corpo.
– Evite fazer a barba (homens) e lavar lingeries (mulheres) durante o banho.
– Não use a descarga para outros fins, como lixeira de papel.
– No ato de lavar a louça, limpe bem os restos de alimentos e enxague-a toda de uma vez.
– Lave as roupas na máquina quando estiver com o cesto cheio. No tanque, feche a torneira enquanto ensaboa as peças.
– Não utilize a mangueira para lavar o carro e a casa. Priorize um balde com água de reuso e pano.

Total
1
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Previous Post

Após um ano da aprovação telemedicina cresce no Brasil e atinge marca de mais de 7,5 milhões de teleconsultas

Next Post

Muitas reuniões virtuais podem afetar bem-estar e produtividade no trabalho

Related Posts