Home Office: Porque escritórios de advocacia têm investido no modelo?

Com o desenvolvimento de novas tecnologias e mudanças sociais, principalmente após a pandemia, o modelo de Home Office tem sido cada vez mais utilizado por empresas, assim como escritórios de advocacia, algo que, na visão do advogado e Sócio Diretor da Nelson Wilians Advogados,  Sérgio Vieira, apesar de enfrentar resistência por parte de algumas pessoas, o modelo é uma implementação necessária.

O home office se tornou uma questão de necessidade, não mais apenas de preferência. O modelo traz muitos benefícios, não apenas com economia de estruturas físicas, mas também ganhos em produtividade”.

Home Office 100% para escritórios de advocacia?

De acordo com Sérgio Vieira, para escritórios de advocacia o ideal é um modelo híbrido, que aproveite o melhor do presencial e do remoto.

O home office traz diversos benefícios, isso é inegável, podendo ser o modelo geral de vários tipos de negócios, mas quando se trata de escritórios de advocacia ele não se encaixa. Existem coisas que não são resolvidas da melhor forma no remoto, assim como existem coisas que podem ser transferidas para ele, por isso, o meio termo é o ideal”.

Mas cada um deve realizar uma análise particular e identificar em quais áreas ou para quais processos o home office se encaixa melhor”, ressalta.

Benefícios do Home Office para escritórios de advocacia

A implementação do trabalho remoto não traz apenas economia financeira, mas maior produtividade e qualidade de vida para os profissionais, destaca Sérgio Vieira.

Incluir o Home Office no seu escritório, ao contrário do que muita gente acredita, agrega valor, além de ajudar a reduzir custos com infraestrutura, também otimiza processos e melhora a performance para algumas situações”.

Total
0
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Previous Post

Atividade turística no Brasil registrou alta de 7,5% nos primeiros 11 meses de 2023

Next Post

Problemas em imóvel alugado: quem deve custear as reformas?

Related Posts