70% das enfermidades que surgiram desde 1940 são de origem animal

Um documento da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) mostra que, ao todo, 70% das enfermidades surgidas desde a década de 1940 são de origem animal, assim como o novo coronavírus que enfrentamos hoje.

Para explicar essa relação entre o consumo da carne com doenças e até pandemias, o Edição do Brasil conversou com a representante da Sociedade Vegetariana Brasileira, Cynthia Schuck, que também é doutora em Zoologia pela Universidade de Oxford (Reino Unido). Ela esclarece que isso acontece pela proximidade evolutiva entre humanos e animais. A especialista ainda fala sobre a importância de reduzir a ingestão de proteínas por questões de saúde pública, éticas e ambientais.

Segundo a FAO, ao todo, 70% das enfermidades surgidas desde a década de 1940 são de origem animal. Por qual razão esse número é tão alto?

A grande maioria das doenças infecciosas que atingem o homem tem origem animal. Isso acontece devido a nossa proximidade evolutiva com eles. Então, patógenos que contaminam os bichos, como bactérias, fungos e vírus podem adquirir a capacidade de infectar os humanos, afinal, temos uma fisiologia parecida com algumas espécies. Quanto mais semelhança, maior a probabilidade de que patógenos que atingem alguns animais também nos afetem.

Por que esse índice tem crescido?

Porque a população de espécies em contato com os humanos cresceu. Hoje somos quase 8 bilhões de pessoas, mas criamos e abatemos quase 80 bilhões de animais. Esse aumento atua como um reservatório de patógenos que podem infectar o homem, como a gripe suína, os diversos surtos de gripe aviária e hepatite E.

Mas é também pela forma como esses animais são criados. Aprendemos com a COVID que distanciamento social, boa saúde e um sistema imunológico fortalecido dificultam a transmissão de patógenos. Os bichos são criados em condições opostas: alta densidade, galpões fechados, com uma concentração muito grande de amônia no ar. Isso prejudica o trato respiratório e as primeiras barreiras de defesa deles. Eles também são selecionados para crescimento rápido e a resistência a doenças não ocorre. Entre outros motivos, por exemplo, situações de estresse que deprimem o sistema imunológico e os tornam extremamente suscetíveis a enfermidades.

Esse número pode apontar que existe uma falha na maneira como o consumo de animal é ofertado?

Existem protocolos de biossegurança, mas eles não são infalíveis. Em termos de saúde pública, o problema de uma região ocorre em todos os lugares. Vimos que houve a contaminação de COVID-19 na China que se espalhou no mundo. É muito difícil controlar. É só pensar que, mesmo que uma granja siga esses protocolos implementados, a partir do momento em que se retira o animal de lá e coloca em um caminhão ou navio para transporte, a possibilidade de disseminação passa a existir. São várias vias as quais esses patógenos podem chegar à população humana.

Existe uma relação entre a pandemia do novo coronavírus e o consumo de carne?

Sim. Existem evidências da ligação entre a Sars- -Cov-2 (COVID-19) e a ingestão de carnes. As hipóteses mais aceitas até o momento é que a transmissão ocorreu em mercados úmidos, ou seja, aqueles que ofertam produtos de diversas espécies para o consumo. No caso da COVID, foi a venda de animais e também as condições em que eles, ainda que silvestres, foram criados.

Nestes mercados eles são expostos a população também em um ambiente onde estão todos juntos em alta densidade, em situação de estresse crônico e com imunossupressão. Por isso, a possibilidade de encontros de diversos patógenos é grande. É onde os fluidos desses animais – sangue, fezes – estão presentes e em contato com humanos.

Como mudar a relação com o consumo de animais?

É simples, as pessoas precisam entender os custos desse consumo. Não só pessoais, em termos da própria saúde, mas para a sociedade. É um risco de saúde pública gerar demanda por um produto que vai aumentar a população de animais e, consequentemente, a probabilidade de transmissão e de emergência de novos patógenos.

Além de prevenir o surgimento de doenças, conscientizar a população a diminuir ou parar de consumir carne, auxiliaria em outras questões atuais?

A diminuição do consumo de animais não só reduziria a probabilidade do aparecimento de patógenos que podem ter potencial pandêmico na população, mas também ajudaria em outras esferas. Por exemplo, sabe-se que hoje em dia 70% dos antibióticos vendidos no mundo são usados na pecuária. Isso contribui para o fenômeno do surgimento de resistência aos medicamentos em humanos, que é um problema gravíssimo. Hoje em dia, mais de 700 mil mortes ocorrem anualmente por conta disso e o cenário previsto é que esse número deve crescer até cerca de 10 milhões de óbitos por ano em 2050. A redução do consumo de carne certamente iria colaborar nesse ponto.

Outra questão é a ambiental. Os animais são uma fonte de energia mais ineficiente do que outras fontes de nutrientes e proteínas necessários para a população humana. Há muito desperdício de energia na forma de ração, pasto e através do consumo de animais. Se tudo isso fosse reduzido, o uso de terras, de recursos hídricos e os produtos da pecuária também diminuiriam. Seja a poluição de cursos de água, do solo ou da atmosfera.

Existem questões éticas, pois as condições de criação dos bichos estão longe da normal. Tudo é feito de forma industrial e eles são selecionados geneticamente para um crescimento rápido. São privados da possibilidade de expressar os comportamentos naturais da espécie. São animais como frangos, porcos e bois, que chegam na idade do abate com problemas cardíacos, respiratórios, ósseos, articulares e sofrem muita dor.

Por fim, um benefício para a saúde, o consumo de carne está associado ao aumento do risco de uma série de doenças cardiovasculares, diabetes e hepatite E.

Total
0
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Previous Post

Setor de bens de capital registra crescimento em janeiro

Next Post

Custo da cesta básica cai em 12 de 17 capitais pesquisadas pelo Dieese

Related Posts